THE RECENT URBAN PROTESTS IN BRAZIL

THE RECENT URBAN PROTESTS IN BRAZIL[1]

Erminia Maricato[2]


INTRODUCTION

The so-called “June days, 2013”, when hundreds of thousands of protestors took to the streets of Brazilian cities, were a general surprise. In the last three decades, the Workers’ Party known as the PT or Partido dos Trabalhadores – and the social movements connected to the party held almost a monopoly over mass manifestations in Brazil. In 2013, the PT completed its 10th anniversary in charge of the Federal Government. Who were the protesters that surprised everybody? What did they want? Had the social Lula and Dilma Administrations policies failed attempting to improve the living conditions of the Brazilian poor? Which social forces did they represent?

The many analysis published about these mobilizations draw attention to some of the common features of the recent international “occupy” protests held by the youth: sudden outbursts, horizontal organization, the central role of social networks, the rejection of hierarchical structure and political parties’ independency leadership, a large degree of spontaneity, among others[3]. This paper does not aim at providing a general or sociological analysis of these events, which undoubtedly have brought some novelties remarked in the movements – predominantly held by the young – taking place after the 1999 Seattle protests. What interests us here is to emphasize the specificities of the movements in Brazil and their strong urban issues ties. The trigger of the street protests was a reaction to the bus fare increasing in the São Paulo city. The organization behind the protests was the MPL – Movimento Passe Livre (the Free Pass Movement) –, a network of activists which for eight years have been organizing themselves around demands for free charged and high-quality public transportation.

The police crackdown on a peaceful demonstration potentiated the hike in the number of protesters, and in the following days, in addition to protests against police action, other demands in terms of healthcare, education, housing, among others, emerged. The high amount of money spent with the preparation for the World Cup promoted by FIFA in partnership with the Brazilian government, and the home eviction of thousands of families because of urban interventions were also present on the posters and rallying cries. However, there were also organized right-wing groups’ demonstrations, which were against political parties and trade unions, in addition to anarchists identified with the international network black blocs[4].

The explanations given in the numerous movements analysis state many different causes, some of which are unanimous, such as, the degree of force used by the police to control peaceful demonstrations contributed to thicken participation. Another consensual cause, is the wearing thin of formal political representation with which very few Brazilians identify themselves with. In this regard, it is worth noting that the Workers’ Party and its allies settled for and accommodated to the traditional way of doing politics in Brazil; moreover, the most powerful media entities have been running a relentless campaign stressing the way the left-wing, while in power, has been consistently involved in corruption scandals[5].

After playing a major role in Brazil from 1975 to late 1990, under the run of the Urban Reform Movement, the urban policy topic sank into oblivion until resurfacing in the 2013 street protests. Just like what happened in a recent past, the urban movements are here to announce a new political cycle; thus, the current urban struggles seem to set in motion another stage in Brazil’s recent history because of the mobility and housing crises[6]. There are objective data to justify this thesis.

Social policies under the Lula and Dilma Administrations undoubtedly reduced social and economic inequality indicators, as we will show below. Starvation was eradicated in the country according to the UN[7]. However, income distribution does not sufficient to combat urban injustice that has at its core the land tenure and real estate issues. What the population needs is “city distribution”, which has everything to do with territorial insertion or the right to the city.

Recent historical roots of the urban malaise that led to the mobilizations have a neoliberal orientation, in other words, they ask for a smaller role of the government in terms of social policies, hitting a historically unequal society, which has sought to untie itself from twenty years of a military dictatorship started in the early 1980s.

NEOLIBERALISM ON A PERIPHERAL CAPITALIST BASIS

The notion of a dialectic and structural relationship between “formal” and “informal” sectors of occupation has already been settled by the literature on the metropolises of peripheral capitalism. Illegality and exclusion are intertwined. Likewise, the shortage of housing, and especially the shortage of city are linked to a restricted and highly speculative real estate market. Legislation inspired by the urban laws of central countries are applied only to a part of the peripheral city seeking to emulate the “first world” and thus to reproduce inequality through a process known as “conservative modernization”. The formal or legalized city is the capitalist real estate market city. This market creates first world islands, which reproduce the signs and symbols of international architecture: the fashion city, the official city, the city of foreigner urbanism. The strong formal market investments concentration mirrors the kind of citizenship and rights which apply only to a very restrict number of people. Exclusion, segregation, informality, and illegality are therefore constructions of social relations, in other words, they are dependent on and subordinate to the accumulation process. This does not mean we are ascribing a dual nature to reality; quite to the contrary, one side of this reality does not exist without the other. What we see is inequality and combination, that is, in the first world island, for example, one is likely to see an abundant and cheap battalion of domestic workers. Another example are the up-scale residences and condominiums that have separate social and service entrances targeted by social classes.

Not even the labeling of an occupation as legal or illegal escapes a class-based criterion. It is not exceptional to find luxury shopping malls or gated condominiums illegally occupying land in Brazil; however, criminalization or violent evictions will only always take place against low-income occupiers. More than the law, as in legal norm, it is the law of the market that prevails.

In turn, informal peripheries are not homogeneously behind.

Among the features of globalization, one finds the increase of production (capital mobility) as well as the increase of consumption towards new markets. The culture of advertising creates new social needs. Towards the precarious and pre-modern urban periphery, the market launches its unbelievable electronic gadgets. This situation engenders conspicuous consumption in the midst of a lack of basic rights such as the right to public transportation or sanitation. The smartphone launched by the market, arrives before sewage or decent housing, confirming that it is not the consumer (or the basic human needs) that governs production but the opposite: it is the production, and the need for accumulation, which creates the consumer[8]. The neoliberal ideology, as we all know, contributed to deepening these contrasts by restricting government investments in social policies[9].

IN BRAZIL, SOCIAL MOVEMENTS SWIMS AGAINST THE NEOLIBERAL CURRENT

While the actions guided by neoliberal ideologies buried many of the social democratic parties and the major trade unions in central capitalist countries (from the mid-1970s onwards), contradictorily, in Brazil, a leftist movement that managed to create new political parties, new union centers, new urban social movements, new policy proposals, gained momentum. This movement eventually helped to put an end to the military dictatorship (1985), helped achieve a new Federal Constitution (1988), and to elect as president of Brazil in 2002 one of its leaders, blue-collar worker Luiz Inacio “Lula” da Silva, from the Workers’ Party. In 2013, the Workers’ Party had been in charge of the country for 11 years. A former urban guerrilla, Dilma Rousseff, who was tortured and imprisoned during the military dictatorship in Brazil, succeeded the 8-year Lula administration.

Throughout 12 years they held office, PT presidents Lula (2003 to 2010) and Dilma Rousseff (2010 to 2014) implemented unprecedented social policies whose scope cannot go unmentioned. The minimum wage had nominal increase of 262% and a net increase of 72.35% from 2003 to 2014. Over the same 10-year period, the Bolsa Família welfare program, which ensures a minimum income per child and per family, reached 13.8 million families or over 50 million people (one in every four Brazilians). This investment has enlarged the food market and the market for popular products having generated a significant impact on the poor regions of the country, such as the Brazilian northeast.

The Bolsa Família program has reduced extreme poverty in Brazil by 28% in 10 years. Another program created during the Dilma administration – the Brazil Without Poverty Plan – was able to lift from extreme need over 22 million people in two years (people who were living on less than $ 1.25 / day). Over the same period, 14.4 million rural dwellers had access to electricity for the first time, a measure that boosted the purchase of household appliances. To encourage urban and rural consumption, Dilma’s administration slashed tax rates for said appliances. The growth of the domestic market added to the increase in the price of commodities (grains, meat, minerals, cellulose, ethanol), which led to a growth of 3.06% per annum in GDP per capita between 2001 and 2010. In the first half 2013, the unemployment rate was 5.3%, the lowest in the last 10 years according to the Brazilian Census Bureau (IBGE)[10]. The FAO/UN food security report states that Brazil is a world reference in the fight against starvation, due to the speed with which it reached 1.7% of the population that does not know when their next meal will be. This figure is considered residual data[11]. In 2003, the figure was 9.3%. These achievements are even more significant if we stress that they have affected the height and weight of children across the country, especially in poorer regions. Between 2008 and 2012 the average height of children included in the Bolsa Família Program increased by almost 1 cm[12]. Brazil ceased to appear in the FAO hunger map and the federal government was able to reach the trenches of poverty, thus influencing positively in reducing regional inequality[13].

In cities, however, the living conditions worsened regardless of the recently achieved new legal and institutional framework.

ACHIEVING A NEW LEGAL FRAMEWORK FOR CITIES

The fight against the dictatorship that took over the country with a military coup in 1964 culminated in a Constituent Assembly that drafted and voted the 1988 Federal Constitution. As a consequence of Urban Reform Movements mobilization, for the first time in Brazil’s constitutional history, two chapters on cities were included in the charter. In 2001, Federal Law # 10,257, also known as the City Statute of Brazil, was passed to regulate the provisions enshrined in the 1988 Constitution. The new statute contained the main principles for Urban Reform: the social function of property and the social function of the city. In 2003, the Ministry of Cities was created, this would not necessarily have been a breakthrough in itself had it not been a claim of the organized urban movements.

Between 2004 and 2013, conferences on the development of cities were held in Brazil. They promoted a discussion process, which originated in the municipalities, went through state legislatures, and culminated with the election of delegates to the National Assembly in Brasília, where claims on urban policy are then agreed. In 2004, the National Council of Cities was created. In 2005, Federal Law # 11,107 on Public Consortia was passed. This statute intended to assist city administrations in promoting shared actions across the Brazilian territory. In 2007, a Federal Law established the regulatory framework for sanitation; this took place after 13 years during which sanitation policies were left in the limbo due to a tug of war over privatization.

The Federal Government was gradually resuming public investments that were previously restricted because of economic difficulties, but also by the ideologies of the International Monetary Fund, World Bank, and others. In 2007, the PAC was launched – the Growth Acceleration Program – with significant investments in housing (especially in slum upgrading) and sanitation. This was finally taking place after more than 20 years of inconsistent and erratic investment policies in the field. Furthermore, in 2009 the Minha Casa Minha Vida (My House, My Life) Program was launched in result of an agreement between the federal government and major companies in construction and urban development.

With these legal and institutional achievements, and more, with the return of government investment in urban policy, why is it that city life has become worse?

THE URBAN POLICY DEADLOCK

In fact, we are living a paradox. After 29 years of neoliberal policies, just as the Brazilian government finally resumes investments in housing and sanitation, followed by investments in urban transport, the situation of urban life worsens dramatically.

First, we must remind ourselves that cities are not only the stage and the actors of social relations, but they are also commodities. The built environment is the product of certain social relations, but unlike other commodities, buildings, bridges, viaducts, and street furniture are attached to the territory. They are a sui generis kind of product. Each location of land or property is unique and as such presents itself as a monopoly. This differential ensures that an increase in value will be assigned to the owner as result of the legal framework. The business of the city is real estate income.

Real estate income crosses all urban policies that take place in the built environment subsequently of the different features of the different locations[14].

It is because it is a special commodity, tied to the (urban) land that housing, for example, it does not obey the law applied to other kinds of commodities. With the latter, the more you produce the more the price falls. When it goes unregulated, the production of housing with subsidies, which is what took place in Brazil, leads to an overall price increase.

The Minha Casa Minha Vida Program launched in 2009 was responsible for a real estate boom and a price explosion.

President Dilma Rousseff has decided to tackle the 2008 crisis and go after increased employment rates and economic growth with a plan called neodevelopmentalist. The main pillars of this plan were the construction and the automotive industries[15]. Still, if the plan was successful in creating jobs the same cannot be said about its impact on the life of cities, as we shall see below.

Real estate prices have skyrocketed since 2008. Between January 2008 and September 2012, the squared meter (m2) of urban properties rose by 184.9% in Rio de Janeiro and 151.3% in São Paulo; the same thing happened in many other Brazilian cities (FIFE ZAP).

According to a survey coordinated by Helena Menna Barreto Silva between 2005 and 2012, the price of new residential units for sale in the São Paulo market increased two-fold, the price of used property increased three-fold, rising above all the indicators adopted in the study. Some city councils and municipalities have softened legislation to favor private enterprises. The symbiosis between governments, the legislatures and development, financing and construction capitals lead to a housing boom that took the city by storm[16]. Many studies, websites and blogs[17] have called attention to the high number of fires and violent evictions taking place in favelas obstructing the path of major urban interventions or located in areas that increased in value due to real-estate market speculation.

Urban and metropolitan peripheries have grown horizontally toward new frontiers, thanks to the speculative real estate market[18]. Only in the city of Rio de Janeiro, the gentrification caused by the “housing boom”, fueled by the preparations for the FIFA 2014 World Cup and the 2016 Olympics, caused approximately 40,000 people to be moved from more central areas to the metropolitan peripheries. In some cases, people were removed 70km away from their original location. Travel time has increased according to the removal map built by Faulhaber based on data from the Rio de Janeiro City’s Housing Secretariat.

Removals in the city of Rio de Janeiro

Screen Shot 2016-07-17 at 17.56.42

Source: Faulhaber based on SMH data.

Urban mobility in Brazil has traditionally focused on prioritizing privately owned vehicles, thus giving a scenario of widespread violence.

The average travel time in São Paulo was 2h46’ in September 2014[19]. One third of the population, however, spends over 3 hours commuting. In other words, a significant share of one’s life is spent in some kind of transportation. It is obvious that the situation is always worse on overcrowded buses or trains, but it also affects the luxury cars. Stress, anxiety disorders, depression are conditions that affect 29.6% of the São Paulo population according to research carried out by the Center for Psychiatric Epidemiology at the University of São Paulo[20]. Among the cities of the 24 countries surveyed, São Paulo is the one with the lowest level of emotional health, and a significant share of the resulting conditions is attributed to traffic.

Moreover, high air pollution levels have been affecting life expectancy in the city as shown in studies done at the Health and Sustainability Institute. Pollution is decreasing in 1.5 years the life expectancy of the population, and increasing the demand for emergency rooms and hospital admissions of children and the elderly. There is also an increase in the number of coronary heart disease[21]. Large and mid-sized cities are experiencing traffic congestion due to the avalanche of cars taking over the streets as a consequence of the subsidies given by the federal government. State and local governments, in turn, essentially only invest in road interventions, blatantly going against what has been established in the Master Plans, which invariably prioritize public transport[22].

The number of cars has increased from a little over 23.6 million in 2003 to 45.4 million in 2013. This means that the amount of cars has almost doubled.

Brazil’s car and motorcycle fleet (2003-2013)

Source: Annual report of the National Federation of Automotive Vehicle DistributioScreen Shot 2016-07-17 at 17.56.53

Motorcycles were the way found to dodge congestion and enable speedy deliveries. They are essential for the city to operate. The number of motorcycles in the same period more than tripled. Only rarely do couriers respect traffic laws because being fast is their competitive advantage. The number of motorcycles has grown much more than the number of cars in the 10-year period mentioned above. Therefore, the death rates of motorcyclists have grown proportionally higher according to the Violence Map on traffic accidents[23]. In 2011 alone, more than 43,000 people died for traffic accidents in Brazilian cities.

Despite the significant increase in privately owned means of transportation, an ANTP – National Association for Public Transportation – report, comparing mobility conditions between 2003 and 2012, showed that in 2012 approximately 80% of trips were made on public transport (49%) or non-motorized transport (walking or cycling: 29%). This year only 22% of trips used individual private means of transportation[24].

Individual private vehicles are responsible for 60% of gas emissions and 72% of energy expenditure measured in TOE (Tonne of Oil Equivalent), states the ANTP report. Regarding the costs of air pollution and traffic accidents, ANTP 2010 figures show that out of a total of BRL 17 billion spent, approximately 80% goes to individual private means of transportation.

The data demonstrate the battle waged between capital and labor in the urban environment by means of its production. Automakers, real estate capital, and housing and heavy construction (infrastructure) industries have taken over Brazilian cities and have provided private financing of election campaigns. The route taken by the cities clashes with Master Plans and federal laws which establish guidelines to ensure the social function of property and to prioritize public transportation. At the exact time when the Brazilian government resumes investments in public policies, after almost 30 years of low amounts of investment, cities face an increasingly deeper crisis.

It is always important to remember that the jurisdiction over the use and occupation of land as well as over transportation and sanitation policies is municipal. In the case of the management of metropolitan areas, the 1988 Constitution assigns jurisdiction to the state level. Therefore, while at the city level the Master Plans have never left the paper, at the metropolitan level what we have are unruly metropoles that completely lack any ability to articulate themselves[25].

FALL AND RISE OF URBAN STRUGGLE

The three strands that fueled the advance of the urban reform proposal, which achieved a new legal and institutional framework, started showing a certain lack of ability to continue to promoting social change as of the late 1990s. They are:

  • The critical and academic production that started building specialized knowledge on Brazilian cities – as part of the peripheral capitalist universe – focusing mainly on studying the precarious conditions of labor force reproduction based in low wages earning;
  • The social movement that brought together several trade union, professional, technical, and popular forces – the Urban Reform movement – and grew during the fight against the military dictatorship;
  • The new kinds of local governments – democratic and participatory city halls – which inaugurated a participation-based, transparent and ethical way of managing cities as of the 1980s.

In the case of the social movements that built the Urban Reform proposal, their former vitality and originality were gradually lost as they lost their independence and as the institutional apparatus swallowed them[26]. Despite the fact that over 10,000 participatory councils at municipal, state and federal levels were created, and despite public investments has being made, Brazilian cities came to a standstill, mostly due to the maintenance of a speculative real estate/ land pattern, which creates outcasts and segregates[27]. Improving wages and increasing consumption will not solve urban problems that depend on land reform and on public services. Distribution of income does not suffice to democratize the right to the city.

For anyone looking into life in some Brazilian cities, a reaction to the existing malaise could be predicted[28]. More than one million people took to the streets in June 2013 and since then sparse mobilizations and protests have taken place[29].

The first half of 2014 was full of demonstrations against the over-the-roof costs of the urban interventions for the FIFA World Cup funded by the Brazilian government. The city of Rio de Janeiro is still being prepared for the 2016 Olympics.

As usual, what tends to happen when these mega events take place in any one country is that a tsunami of international capital takes over the national governments and the cities undergo rampant speculation, which is followed by gentrification, as shown in the map above. The people affected by the urban interventions of these mega sporting events formed a People’s Committee for the Cup and the Olympics. They set up a website and promoted frequent mobilizations throughout Brazil[30]. In September this year, an action for repossession in downtown São Paulo caused 200 families eviction from a building that sat empty for 10 years until it was occupied six months before. The city center became a war zone: buses were set on fire, shops were looted, and arrests were made. Among the occupiers arrested were a number of elderly citizens, children and even pregnant women. There are 20 legal actions for repossession pending concerning buildings in this area of the city. There are currently around 60 formerly empty buildings being occupied in the old city center. These occupations challenge the courts that insist on ignoring the legal advances and on treating the situation as a police matter and not as a social problem. Four social movements promote and organize the occupation initiative in downtown São Paulo.

The MTST – the Homeless Workers Movement, which has many former MST – Landless Workers’ Movement – members, has promoted events throughout the year. In one of their actions, activists occupied the headquarters of well-known construction companies. In two other events, protestants brought up other issues: first, the poor quality and the high cost of cell phone services and second, the water shortage caused by a severe drought due to the mismanagement of the city’s water supply by the state government.

In the northeastern city of Recife, an occupation is trying to put to a halt a real estate project with twelve towers of up to 41 floors each being built in the city’s old town pier. These buildings will completely tarnish the old center’s scenario made up of historic colonial houses. The support of artists gives visibility and strength to this struggle, which has named Occupy Estelita[31].

Pressures in favor of or contrary to Master Plans that were voted at City Councils were the cause of conflicts involving the police. In January 2014, it was the turn of the southern city of Florianópolis, where protesters forced their way into the town hall to stop the vote on the Master Plan. In July of the same year, social movements surrounded the building of the São Paulo city legislature to press for the unamend approval of the version of the Master Plan discussed democratically.

There is a clear generational feature in new movements even though many of the activists from the earlier decades are still present[32]. There are groups of young people organized around mobility, housing, democratic communication (since the major media entities behave like a political party for the elites). Many young people organized their manifestations around culture and art in peripheral neighborhoods. Recent urban struggles have brought to the center of the national political agenda the issue of mobility.

We still have not yet reached the urban question or the real estate factor, which is at its core. This is a longer fight, especially if we consider the role played by land tenure and real estate in patrimonialism, and its role in a financial globalized economy.

Everything points to a new political cycle. There are two conflicting scenarios at hand: increasing exclusion and social rights, or repeating another chapter of “conservative modernization”. One of the aspects of this conflicting scenario is the clash between the new legal framework assigning urban rights to everyone, and a reality in which rights are granted only to a few. This discrepancy between the letter of the law and the enforcement of the law is part of the history of Brazil. It turns out that the current legal framework dealing with cities – the 1988 Constitution, the City Statute, etc – was born from social struggles. Indeed, for the birth of a new Brazil, we have to face the urban question at the center of the social struggles.

São Paulo, October 2014.

 

Erminia Maricato

Retired Professor from the Architecture and cropped-foto_entrevista_fpa.jpegUrbanism College at the University of São Paulo (FAUUSP) and Visiting scholar at the Economics Institute of the University of Campinas (UNICAMP).

She formulated the proposal for the creation of the Ministry of Cities in 2003 and was technical coordinator of the National Urban Development Policy of the first Lula government.

Secretary of Housing and Urban Development of the City of Sao Paulo (1989/1992).

Coordinator of the Graduate Architecture and Urbanism of USP (1998/2002).

Member of the Research Council of University of Sao Paulo (2007/2009).

Member of São Paulo Social City Council.


[1] This topic has been developed in greater length and detail in a paper entitled: “The future of global peripheral cities”, Latin American Perspectives, Sage, forthcoming. We have been updated paper indicators and data on urban life.

[2] Retired Professor from the Architecture and Urbanism College at the University of São Paulo (FAUUSP) and Visiting scholar at the Economics Institute of the University of Campinas (UNICAMP).

[3] See the following studies: Rebel Cities by David Harvey, London/New York: Verso, 2012; Cidades Rebeldes. Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013. See interview with Perry Anderson in O Estado de São Paulo, Caderno Aliás, 03/11/13. Also see a Catalan publication at: http://revistes.ub.edu/index.php/ACS/issue/current/showToc

[4] Black blocs adopt direct action tactics, have an anarchist vein, they are organized in a non-hierarchical and uncentered framework, and oppose the status quo.

[5] A better-meaning understanding of “the traditional way of doing politics in Brazil” can be found on FAORO theory of “Patrimonialist Society”, in Os donos do poder. Rio de Janeiro: Globo 1989 and SCHWARTZ theory of “the universalization of favor-based politics”, in Cultura e política. São Paulo: Cia das Letras, 2012. On the strong participation of the mainstream media in an attempt to destabilize leftist governments in Latin America, see interview with Rafael Correa, President of Ecuador in http://www.brasildefato.com.br/node/29243, available in 2016-06-12.

[6] Check the new urban movements emerged in Brazil in the 1970s and the 1980s see Quando novos personagens entraram em cena: experiências e lutas dos trabalhadores da grande São Paulo 1970-1980, by Eder Sader, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

[7] UN acknowledges that Brazil was one of the most successful countries in fighting malnutrition and poverty in the 2014 FAO report published in September.

[8] According to Karl Marx, in The Capital, the production creates the consumers.

[9] There are many references on this topic. One of the most recent and acclaimed book on the increase of inequality in capitalist countries is Thomas Piketty’s Capital in the Twenty-First Century.

[10] The drop in unemployment rates is likely to pickup in the second half of 2014 as the GDP decreases.

[11] Source: The State of food insecurity in the world, FAO/UN September, 2014.

[12] See “Uma vergonha a menos”, an article published in Carta Capital Magazine on 09/24/2014 about the Health Ministry’s data.

[13] On the regional inequality issue see “O Brasil precisa se consolidar como nação”, by Tania Bacelar de Araújo, 2006 and “Pobreza: métricas e evolução recente no Brasil e no nordeste” by Lena Lavinas, 2010.

[14] Some most important efforts to apply Marxists concepts to urban space production came from two research groups which works were developed predominantly in the 70s and the 80s, the French urbanism school whose notable members are Christian Topalov, Alain Lipietz, Jean Lojkine, among others.

[15] On the so-called new developmentism, see “Brasil e o Novo desenvolvimentismo” by Luiz Carlos Bresser-Pereira, 2011.

[16] 62% of the funding for the campaigns of city councilors running for office in São Paulo came from the construction and/or real estate sector. Data retrieved from the website “Arquitetura da Gentrificação”, http://reporterbrasil.org.br/gentrificacao/.

[17] See my paper in Latin American Perspectives, forthcoming.

[18] See PhD dissertation entitled O boom imobiliário na metrópole paulistana: o avanço do mercado formal sobre a periferia e a nova cartografia da segregação socioespacial [The real estate boom in São Paulo: the advances of the formal market on the periphery and the new cartography of social and spatial segregation] by Letícia Sígolo, FAU USP, 2014.

[19] Rede Nossa São Paulo/IBOPE 2014.

[20] Center for Psychiatric Epidemiology at the University of São Paulo (USP) http://ipqhc.org.br/pag_detalhe.php?categ=Pesquisa&id=262

Mental Disorders in Megacities: Findings from the São Paulo Megacity Mental Health Survey, Brazil. Laura Helena Andrade , Yuan-Pang Wang, Solange Andreoni, Camila Magalhães Silveira, Clovis Alexandrino-Silva, Erica Rosanna Siu, Raphael Nishimura, James C. Anthony, Wagner Farid Gattaz, Ronald C. Kessler, Maria Carmen Viana. PLOS Published: February 14, 2012. Avalilable at http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0031879. Epistemological study http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0031879

[21] The Health and Sustainability Institute at www.saudeesustentabilidade.org.br. Reference PEREIRA et. al.(2010).

[22] The enlargement of the Marginal Tietê expressway in São Paulo in 2011 is one of the many examples of urban interventions that do not comply with the city’s Master Plan.

[23]http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.mapadaviolencia.org.br%2Fpdf2013%2Fmapa2013_transito.pdf&ei=u-AiVJGvK4LoggTogoHoAQ&usg=AFQjCNG7yCrikaK9z4ptyXe8HV87kjqA6Q

 [24] 2003/2012 Comparative Report – ANPT Information System on Urban Mobility – July/2014. The survey was carried out in cities that in 2003 had a population of 60 thousand or more (438 municipalities). http://www.antp.org.br/website/biblioteca/search.asp.

[25] See Maricato, E. “Metrópoles desgovernadas”. Estudos Avançados, São Paulo, no. 25, p. 7-22, 2011.

[26] The PT sought to implement changes by avoiding conflict according to André Singer in Os sentidos do lulismo. São Paulo: Cia das Letras, 2013. Therefore, we can say that the PT unpoliticized political struggles by attempting to enter into agreements that pleased all the parties involved. This was possible while the economy was growing.

[27] See Erminia Maricato, O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.

[28] Because of the perplexity I noticed during talks given in many capitals, in March 2013, two months before the protests, I wrote an article entitled Cidades no Brasil: sair da perplexidade e passar à ação (Cities in Brazil: leaving perplexity and moving towards action). Available at http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Cidades-no-Brasil-sair-da-perplexidade-e-passar-a-acao/4/27330

[29] See the book Movimentos Sociais na era global by Maria da Gloria Gohn, 2014.

[30] for more information check TANAKA, G. e CONSENTINO, R. Comitê Popular da Copa e Olimpíadas No Rio de Janeiro: movimentos sociais e novas articulações políticas. In SANCHEZ, F. e outros (org) A copa do mundo e as cidades. Rio de Janeiro: Editora da UFF. 2014

[31] On Occupy Estelita, see “Ocupe Estelita: o movimento de uma cidade contra as empreiteiras” by Luiz Carlos Pinto, Carta Maior, junho de 2014.

[32] Levante Popular da Juventude, Intervozes, Consulta Popular, Movimento Passe Livre, are some of these new organizations.

 

References  

ANDERSON, Perry. O Estado de São Paulo newspaper, Caderno Aliás, 03/11/13

Anuari del Conflicte Social. Observatori del Conflicte Social, Universitat de Barcelona, 2015. Available at

http://revistes.ub.edu/index.php/ACS/issue/current/showToc, accessed in 06-12-2016.

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa. Megaeventos e violações dos direitos humanos no Brasil: Dossiê da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa. Rio de Janeiro: Etern/Fundação Henrich Böll, 2014. Available at https://br.boell.org/sites/default/files/ancop_dossie2014_web_bollbrasil.pdf , accessed in 06-24-2016.

BACELAR, Tânia,2006. .“O Brasil precisa se consolidar como nação”. Boletim Regional – Informativo da Política Nacional de Desenvolvimento Regional, pp. 14-22. Available at http://www.mi.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=42638937-4b59-4e82-a3a8-43e436d899ea&groupId=24915 ; accessed in 06-24-2016.

Bartlett International Summer School. Proceedings da BISS de 1979 a 1993.University College London.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Brasil e o Novo desenvolvimentismo, 2011. Available at http://www.bresserpereira.org.br/view.asp?cod=4437, accessed in 2016-06-12.

CASTELLS, Manuel.La question urbaine.Paris: Maspero, 1972.

Center for Psychiatric Epidemiology at the University of São Paulo (USP) http://ipqhc.org.br/pag_detalhe.php?categ=Pesquisa&id=262

Comparative Report – ANPT Information System on Urban Mobility – July/2014. The survey was carried out in cities that in 2003 had a population of 60 thousand or more (438 municipalities). http://www.antp.org.br/website/biblioteca/search.asp

CORREIA, Rafael. President of Ecuador in http://www.brasildefato.com.br/node/29243, available in 2016-06-12.

FAORO, Raimundo. Os donos do poder. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

Faulhaber based on data from the Rio de Janeiro City’s Housing Secretariat

GOTTDIENER, Mark. The social production of urban space. University of Texas Press, 1985.

GOHN, Maria da Gloria [2012].Movimentos Sociais na era global . Rio de Janeiro, Vozes.

HARVEY, David. Rebel Cities, London/New York: Verso, 2012

__________.Spaces of capital: towards a critical geography. Edimburgh: Edimburgh University Press Ltda, 2001.

LAVINAS, Lena. “Pobreza: métricas e evolução recente no Brasil e no nordeste”. Cadernos do Desenvolvimento. Ano 5, nº 7. Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2010.

LEVÉBVRE, Henri. La production de l’espace, Paris: Anthropos, 1974.

LIPIETZ, Alain. Le Capital e son Espace.Paris: Maspero, 1973.

__________. Le tribute foncier urbain.Paris: Maspero, 1974.

LOJKINE, Jean. Le marxisme, l’État et la question urbaine. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.

MARICATO, Ermínia. (forthcoming) “The future of global peripheral cities”, Latin American Perspectives, Sage.

__________. “Metrópoles desgovernadas”. Estudos Avançados, São Paulo, no. 25, pp. 7-22, 2011.

__________. O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.

__________. [et al.]. 1.ed. – Cidades Rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

__________. Cidades no Brasil: sair da perplexidade e passar à ação. Available at http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Cidades-no-Brasil-sair-da-perplexidade-e-passar-a-acao/4/27330, accessed in 06-24-2016.

MARX, Karl, in The Capital, the production creates the consumers

PEREIRA, L.A.A.; ASSUNÇÃO, J.V. de; SANTOS, U. de P.; BRAGA, A.L.F.; ANDRADE, M. de F.; ANDRÉ, P.A.; GÂNDARA, M.;LIN, C.A.;ABRÃO, M.S.

“O ar da cidade, ruído e as desigualdades na saúde”. In SALDIVA, P. [et al]. Meio Ambiente e Saúde: o Desafio das Metrópoles. São Paulo: Ex-Libris, 2010.

PIKETTY, Thomas. Capital in the Twenty-First Century.

PINTO, Luiz Carlos.“Ocupe Estelita: o movimento de uma cidade contra as empreiteiras”, Carta Maior, junho de 2014.

Proceedings of Bartlett International Summer School published from 1973 to 1993, Bartlett School, UCL.

REDE NOSSA SÃO PAULO [2014]. Pesquisa Nossa São Paulo/Ibope – Dia Mundial Sem Carro, http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/files/pesquisaibope2014completa.pdf, accessed in 06-24-2016.

SADER, Emir. Quando novos personagens entraram em cena: experiências e lutas dos trabalhadores da grande São Paulo 1970-1980.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SCHWARTZ, Roberto. Cultura e política. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

SÍGOLO, Letícia Moreira. The real estate boom in São Paulo: the advances of the formal market on the periphery and the new cartography of social and spatial segregation, FAU USP, 2014.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo. São Paulo: Cia das Letras, 2013.

TANAKA, G. e CONSENTINO, R. Comitê Popular da Copa e Olimpíadas No Rio de Janeiro: movimentos sociais e novas articulações políticas. In SANCHEZ, F. e outros (org) A copa do mundo e as cidades. Rio de Janeiro: Editora da UFF. 2014

TOPALOV, Christian. Les promoteurs immobiliers. Paris: Mouton, 1974.

UN/FAO [2014]. The State of food insecurity in the world. published in September, http://www.fao.org/3/a-i4646e.pdf

“Uma vergonha a menos”, an article published in Carta Capital Magazine on 09/24/2014 about the Health Ministry’s data http://www.cartacapital.com.br/blogs/cartas-da-esplanada/uma-vergonha-a-menos-4019.html

WAISELFISZ, Júlio Jacobo [2013] Mapa da Violência 2013: Acidentes de Trânsito e Motocicletas. Rio de Janeiro: Flacso Brasil/Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos.

The Health and Sustainability Institute at http://www.saudeesustentabilidade.org.br

Repensando a luta pela Reforma Urbana no Brasil e América Latina – WPSC-jul/2016

Participamos do World Planning School Congress (WPSC) com uma mesa que nos pareceu mais adequada ao momento no Brasil. Parece que estávamos adivinhando qual seria a conjuntura no momento em que aconteceria o Congresso.

Mesa
No público havia um grande número de arquitetos, mas também geógrafos, engenheiros e advogados de várias partes do Brasil, que tomaram parte nas lutas pela democratização do país e da política urbana nos anos 70, 80 e 90 (Benny de UNBrasília,  Zé da Ambiens (Curitiba), Heloisa Costa e  Geraldo Magela da UFMG, Rainer da UFRJ, Saad do SARJ, Angela Gordilho da UFBA, Giselle da UFRJ, Roberta da UFPA, Ester Limonad da UEF, entre outros).
A presença dos companheiros do LABHAB que deixaram de ver outras das numerosas mesas com autoridades internacionais para prestigiar a “prata da casa” me emocionou (a Karina apresentou o evento, estavam lá a Malu, Paulo Emilio, Caio Santo Amore, Mariana Fix e Paulinha). Isso mostra que a coesão é uma virtude do Labhab.
A Giselle Tanaka filmou o evento e vai disponibilizar brevemente o vídeo. Aqui vão algumas impressões das apresentações. Quem quiser pode corrigir ou adendar sua fala.
Tom Angotti, professor da CUNY, discorreu sobre a relação EUA – América Latina a partir de uma apanhado histórico que culminou no Consenso de Washington e na tendência de desmontar as estratégias soberanas de combate à desigualdade nos países da AL. Falou sobre a importância internacional do Brasil e de apoiar o Fora Temer. Sobre os EUA o professor disse não haver tantas diferenças entre Hillary e Trump especialmente na política internacional. Um significativo movimento de jovens está se formando na esteira da ex-candidatura de esquerda de Sanders. Da dinâmica eleitoral espera-se que surjam 2 novos partidos nos EUA.

Tom Angotti
Olivio Dutra discorreu sobre o processo que deu origem ao orçamento participativo em Porto Alegre e também sobre o seu percurso a partir de suas origens como ex- sindicalista até a prefeitura de Porto Alegre e governo do RS. Olívio descreveu um momento ímpar da política urbana no Brasil contando com o empoderamento da cidadania e enfraquecimento dos indefectíveis lobbies que controlam os orçamentos públicos.

Olivio Dutra_2
Kelson Senra relatou como participou da luta pela Reforma Urbana como presidente da FNA- Federação Nacional dos Arquitetos quando, por ocasião da Habitat II,  lutamos para integrar os movimentos sociais no Fórum da Reforma Urbana. Continuou seu relato sobre as mudanças ocorridas na proposta da Reforma Urbana baseado na sua trajetória de integrante do Ministério das Cidades, depois, do Ministério da Integração Social e finalmente, atualmente, como Secretário de Habitação de Caxias/ RJ. A situação de saneamento, controle do uso e da ocupação do solo e governabilidade na periferia do Rio de Janeiro combinam-se à concentração de decisões políticas e investimentos. A descrição de Kelson impressiona e nos faz temer o futuro próximo. A proposta de governo metropolitano em discussão mostra o risco de instituirmos um nível administrativo federativo, sem voto. As propostas apresentadas indicam um caminho de retomada do trabalho político de base social e descentralização para maior autonomia do poder municipal.

Kelson_2
Lurdinha do MNLM falou de sua trajetória de 30 anos participando dos movimentos de moradia sem, no entanto, apesar dos esforços e lutas, constatar avanços. Talvez tenhamos regredido segundo a lider social. Questionou as Conferencias das Cidades, a acomodação dos movimentos nos processos participativos institucionais e os parcos ganhos obtidos nos últimos anos marcados pela políticas de conciliação. Defendeu autonomia dos movimentos diante dos partidos e dos governos.

Lurdinha
Erminia lembrou que estamos em outro ciclo político cujo início não se deu em 17 de abril de 2016 mas ainda durante os governos do PT quando os PACs e os MCMVs definiram o retorno do investimento público em políticas sociais e os capitais (grandes empreiteiras, capital imobiliário, industria automotiva) assumiram o controle dos processos de investimentos urbanos em consonância com os mega eventos. A crise política internacional e nacional decorrem da disputa pelos ganhos. As esferas participativas institucionais domesticaram os movimentos sociais embora o Fórum de Reforma Urbana tenha contribuído muito ao dar prioridade à luta por resultados legais e institucionais. As Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo estão apontando para a construção de uma nova agenda que deve acompanhar a renovação da articulação das forças democráticas e populares.

Erminia

Fotos: Paula Oliveira

folder.Erminia.online

Cortes no Minha Casa Minha Vida vão estimular precarização da moradia

Cortes no Minha Casa Minha Vida vão estimular precarização da moradia

por Ermínia Maricato — publicado na Carta Capital em 08/06/2016 

mcmv

A suspensão da modalidade Minha Casa Minha Vida – Entidades pelo Ministério das Cidades, do governo interino de Michel Temer, fez muito mais do que acabar com o sonho de 11.250 famílias na iminência de ver concretizado o acesso à moradia por meio dos contratos encaminhados.

Esse número é irrisório. Infelizmente, a modalidade Entidades não tem um desenho que entusiasme o mercado e nunca mereceu mais de 2% do Orçamento do programa em toda sua existência. Dentre as comunidades que integram esses contratos estão, porém, grupos de famílias que lutam pela moradia há dez anos e tiveram equacionado, apenas recentemente, o acesso à terra urbana.

O anúncio do governo interino teve um impacto arrasador sobre essas comunidades que vivem em condições de vulnerabilidade e enfrentam o desemprego. A revolta não é compreensível apenas para aqueles que desconhecem as condições de vida urbana no Brasil.

A pressa em acabar com a única modalidade sem formato adequado aos interesses do mercado, no Minha Casa Minha Vida mostra um viés ideológico cruel e revelador. Essa modalidade abre possibilidades de melhores projetos de arquitetura e engenharia por meio de assessorias técnicas, prevista em lei, além de permitir à própria comunidade construir o empreendimento no todo ou em parte.

Apesar de ocupar um espaço residual no Orçamento do programa, a modalidade Entidades vem da herança virtuosa das experiências de governos que combinaram baixo custo, boa qualidade e participação democrática na provisão de moradias para baixa renda (Franco Montoro, Luiza Erundina, Olívio Dutra, Marta Suplicy e Edmilson Rodrigues, entre muitos outros).

RP_Casa_Temer_Foto_Roberto_Parizotti_02405222016.jpg
A pressa em acabar com a modalidade entidades do programa revela um viés ideológico cruel (Fotos: Roberto Parizotti/CUT)

Há sempre o argumento de que apenas com o comando da provisão na mão das empresas de promoção/construção teremos celeridade e quantidade o que, em tese, é verdade. Mas há uma dúvida nos meios profissionais e acadêmicos sobre a qualidade arquitetônica e construtiva dos empreendimentos feitos dessa forma. E isso sem falar da reprodução do conjunto-depósito-de-pessoas-localizado-fora-da-cidade, modelo comum durante o período da ditadura.

Os custos de levar a cidade até esses empreendimentos (transporte, abastecimento, equipamentos sociais, culturais e de lazer etc.) ou adequar seus projetos e construções às comunidades específicas acabam ficando muito altos no médio prazo. Outras soluções são possíveis e o Minha Casa Minha Vida mostrou alguma virtude quando ampliou o mercado para o que podemos chamar de classe média baixa por meio de conjuntos (porque apenas condomínios?) um pouco mais integrados às cidades.

Não há, porém, como fazer omelete sem quebrar os ovos. Não há solução para a habitação sem enfrentar o problema fundiário/imobiliário urbano. Aumentar investimentos para financiamento à produção e ao consumo como tivemos, não basta. Aumentaram o emprego e o PIB após a crise de 2008, acarretando também a alta do preço da terra e dos aluguéis, e reafirmando a carência e a segregação urbana em contexto de solo desregulado.

Para exercer essa regulação, temos leis entre as mais festejadas do mundo. Nossa Constituição prevê a Função Social da Cidade e da Propriedade, regulamentadas por meio da Lei Federal nº 10.257, Estatuto da Cidade. Mas esses preceitos não saíram do papel e são desconhecidos ou ignorados pelo Judiciário, por parte do Ministério Público e até mesmo pelos executivos municipais (e estaduais no caso das metrópoles), a quem cabe a competência constitucional sobre o uso e a ocupação do solo.

Apenas para dar uma ideia, a barafunda legal em relação ao solo urbano é tão extensa que juízes e promotores moram nos loteamentos fechados, indiscriminadamente abertos e que ampliam as áreas de expansão urbana e fomentam um mercado de terras altamente especulativo. O “loteamento fechado” contraria frontalmente a Lei de Parcelamento do Solo, de 1979. Portanto, trata-se de empreendimento ilegal. Simplesmente ilegal.

Existe uma tendência atual, na política habitacional, de retorno de um dos artifícios usados no período da ditadura: concentrar os investimentos nas faixas mais altas do chamado mercado econômico, por meio dos mesmos recursos daquele período, em especial o FGTS, já que recursos orçamentários estariam proibidos pelos gestores financeiros de antes e de agora. Os que mais precisam de moradia ficariam de fora.

Aqui é importante um parêntese: as promessas de captar recursos no mercado financeiro para moradias e operações urbanas revelaram-se, nos últimos anos, uma falácia. No mais das vezes, as Operações Urbanas, para tomar um exemplo, levaram aos bolsos privados boa quantidade de recursos dos fundos públicos, o que nos deixa desconfiados com as tais PPPs e PPIs.

Miséria_SP12.jpg
Não resta alternativa à população pobre, a não ser ocupar áreas no entorno das cidades (Fotos: Masao Goto Filho)

Sem subsídios, sem regulação da terra urbana e da especulação fundiária, resta à população pobre no Brasil, maior parte da população, continuar a ocupar irregularmente terras por meio das favelas ou da compra de lotes ilegais. A dimensão quantitativa das ocupações ilegais é absolutamente desconhecida pelo Estado, suas autoridades e mídia. A cada ocupação de terra situada em área que interessa ao mercado ou contraria interesses específicos, há uma verdadeira comoção em nome do direito à propriedade. O Judiciário apressa-se em dar a reintegração de posse sem observar o direito à moradia previsto na Constituição como absoluto.

Não vamos mencionar as ilegalidades frequentes que condomínios de luxo promovem à legislação ambiental e urbana, mas queremos lembrar que à população pobre sem acesso ao mercado residencial privado ou aos recursos públicos não resta outra opção senão ocupar onde consegue e aí construir suas casas com as próprias mãos.

Apenas nas áreas de proteção dos mananciais, ao sul da metrópole paulista, moram ilegalmente entre 1,5 milhão a 2 milhões de indivíduos, contribuindo para deteriorar o manancial de água de que a metrópole tanto precisa. O aumento das epidemias de dengue, zika e chikungunya tem tudo a ver com essa urbanização, sem Estado e sem mercado, em síntese, sem lei, como têm observado os profissionais da saúde pública e do saneamento básico. O aumento da dificuldade e do custo dos transportes públicos também está relacionado a esse processo que é invisível apenas para quem não quer ver.

Muitas das comunidades que compõem os movimentos sociais não aceitam esse destino irracional, social e ambiental. Também não aceitam sua remoção para fora das cidades em conjuntos/guetos e querem protagonizar outra forma de acesso à moradia. A Federação Nacional dos Arquitetos, a Federação Nacional de Sindicatos de Engenheiros, ao lado de diversas associações de professores de pós-graduações e pesquisadores acadêmicos (que se manifestaram sobre esse assunto) também apostam na necessidade de ampliar a modalidade do Minha Casa Minha Vida – Entidades. 

Os bons projetos de arquitetura e engenharia não são produtos de luxo, mas, ao contrário, além de garantir qualidade às moradias, ajudam no combate à corrupção. Esse trabalho não encarece os empreendimentos como têm mostrado as experiências das Assessorias Técnicas à Moradia de Interesse Social. A participação dos usuários, futuros moradores, contribui ainda para a formação de preços justos além da boa qualidade. Essas palavras não se referem a uma utopia distante, mas às práticas de muitos governos estaduais e municipais, no Brasil, nos últimos 25 anos.

Um governo interino, por sê-lo, deveria ser mais cauteloso ao fazer mudanças. Responder com polícia a essas necessidades não vai resolver este problema gigantesco e dramático. 

ESTAMOS CONSTRUINDO NOSSA MÍDIA DEMOCRÁTICA

ESTAMOS CONSTRUINDO NOSSA MÍDIA DEMOCRÁTICA

 

Nesse momento em que os 5 maiores conglomerados da grande mídia controlam 99% das notícias que circulam nos meios de comunicação sobre política, economia, sociedade, etc, torna-se importantíssimo divulgarmos canais alternativos de informação.

Segue uma pequena lista da blogsfera independente.

Compartilhem!!!!

Blogosfera, Jornais e Revistas Virtuais

1.      Marcelo Auler – http://www.marceloauler.com.br/blogosfera/

2.      Outras Palavras – http://outraspalavras.net/

3.      A Pública – http://www.apublica.org/

4.      Le monde diplomatique Brasil – http://www.diplomatique.org.br/

5.      Brasil 247 – http://www.brasil247.com/

6.      Revista Fórum – http://www.revistaforum.com.br/

7.      Brasil Debate – http://brasildebate.com.br/

8.      O cafezinho – http://www.ocafezinho.com/

9.      Passa Palavra – http://www.passapalavra.info/

10.     O Escrevinhador – http://www.revistaforum.com.br/rodrigovianna/geral/37912/

11.     Melhores Links da mídia alternativa –  http://osmelhoreslinksdamidiaalternativa.blogspot.com.br/

12.     Blog do Sakamoto – http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/

13.     Balaio do Kotscho – http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/

14.     Luis Nassif – Jornal GGN – http://jornalggn.com.br/luisnassif

15.     Revista Carta Capital – http://www.cartacapital.com.br/

16.     Tijolaço – http://www.tijolaco.com.br/blog/

17.     Carta Maior – http://www.cartamaior.com.br/

18.     Blog Brasil 247 – http://www.brasil247.com/

19.     Paulo Moreira Leite – http://paulomoreiraleite.com/

20.     Blog Teoria Versus Prática – http://teoriaversuspratica.blogspot.com/

21.     Projeto Brasil Nunca Mais – http://dhnet.org.br/memoria/nuncamais/index.htm

22.     Memórias Reveladas – http://www.memoriasreveladas.gov.br

23.     Observatório de Imprensa – http://observatoriodaimprensa.com.br/

24.     Pragmatismo Político – http://www.pragmatismopolitico.com.br/

25.     Diário do Centro do Mundo – http://www.diariodocentrodomundo.com.br

26.     Socialista Morena – http://www.socialistamorena.com.br/

27.     Conversa afiada – http://www.conversaafiada.com.br/

28.     Blog do Miro – http://altamiroborges.blogspot.com.br/

29.     Pátria Latina – http://www.patrialatina.com.br/

30.     Blog do Rovai – http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/

31.     Jornalistas livres – http://jornalistaslivres.org/

32.     Brasil de Fato – https://www.brasildefato.com.br/

33.     Carta Capital – http://www.cartacapital.com.br/

34.      Jornal El Pais – http://brasil.elpais.com/

35. Plat

ASSENTAMENTOS (mais) HUMANOS | Publicação da FNA para Conferência Brasileira para a Habitat II, 1996

 

001

No ano de 1996, nos preparamos para participar da Conferencia Internacional Habitat II que teve lugar em Istambul. O governo brasileiro não levou nenhum documento representativo mas a FNA (Federação Nacional dos Arquitetos) levou este documento : ASSENTAMENTOS (mais) HUMANOS.

A FNA era presidida pelo Kelson Senra que contou  com a ajuda preciosa de Gonçalo Guimarães para organizar uma reunião nacional, elaborar e votar as propostas aqui contidas. Participaram da reunião mais de 500 pessoas vindas de todo Brasil e representando entidades profissionais, sindicais e populares. Trata-se hoje de um documento histórico que mostra o espírito da época e o protagonismo dos arquitetos na recuperação da proposta de REFORMA URBANA.

Essa iniciativa já evidenciava nossas divergências com o Fórum Nacional da Reforma Urbana. Mais tarde, Kelson Senra, Gonçalo Guimarães, Carlos Vainer e eu rompemos com o Fórum mais voltado para as conquistas legais e institucionais.


Download da publicação completa aqui: Publicação Assentamentos (mais) Humanos. Conferência Brasileira para a Habitat II, 1996

Eu e Jean Wyllis

Ontem fui convidada a escrever na Folha de São Paulo (a menos que seja um trote, mas a interlocutora foi muito insistente). Há algum tempo atrás a UOL já havia me convidado para fazê-lo e eu não aceitei, dessa vez fui mais clara. Disse a ela que transmitisse ao editor que não quero colaborar com a grande e vergonhosa mídia golpista do país, mesmo num jornal como a folha que tenta incluir articulistas de todos os matizes políticos e ideológicos para, justamente, melhor ocultar a manipulação das informações. Achei interessante ela argumentar que, como discordo, teria total liberdade de escrever o que penso.
Quanta liberdade de expressão para assegurar um mercado que está sem opção de jornal diário impresso!
Não faço isso porque me acho muito importante.
Reconheço que poderia atingir mais pessoas escrevendo num jornal de grande circulação e é evidente que isso faz parte dos desejos de qualquer autor, militante político ou profissional envolvido com as causas pública (a política urbana no meu caso). Mas estou convicta que, neste momento dramático de mudanças no país é hora de consolidar uma mídia alternativa que não tenha tantos compromissos com o atraso, a desigualdade e a desinformação que aprisionam o brasil.
Prefiro fazer parte desse esforço de formigas que, por meio de blogs, sites, páginas, etc, tenta abrir um caminho novo para as novas gerações.
Como falo muito para jovens em todo o Brasil tenho insistido que há algo de novo entre eles apesar do esforço brutal da máquina de alienação que atua por meio das mídias ou do consumo.
Em mensagem anterior postei um dos heróis dos jovens das periferias urbanas: Mano Brown. Hoje vou postar outro herói dos novos tempos que está se consolidando no firmamento: Jean Wyllys.
Vejam o que ele escreveu sobre o convite para escrever no jornal o globo. O cabra é muito corajoso!


Pingos nos “is”!

Agora eu posso contar

Texto de Jean Wyllys

Poucos dias depois da morte daquele garotinho de 8 anos, o Alex, cujo pai o espancou até dilacerar seu fígado porque o menino gostava de lavar louça e de dança do ventre (isso meses depois de o deputado viúvo da ditadura militar dizer publicamente que gays, lésbicas e transexuais só somos o que somos por falta de porrada na infância para que tomássemos jeito de homem ou de mulher), eu recebi a ligação de um editor de O Globo me pedindo para que escrevesse uma resposta a um artigo de um dos seus colunistas (aquele que o jornal demitiu recentemente e que também escrevia para Veja até ser dispensado por ela), que havia afirmado em seu texto que a esquerda brasileira esconde que a homofobia é própria ou originária de países da África negra para, aqui no Brasil, não prejudicar a luta do movimento negro contra o racismo. Antes de atender ao pedido e responder a essa mistura de ignorância com desonestidade intelectual que constrangeu os próprios editores de O Globo, eu perguntei ao tal editor: “Por que o jornal contratou e mantém um sujeito desses escrevendo para seus leitores?”. O editor me respondeu: “Desculpe-me, deputado, mas eu não sou responsável por isso. Não depende de mim”.

Bom, por que contei essa história? Ora, porque os principais jornais e revistas desse país (mesmo a Folha de São Paulo, o mais “plural” desses veículos), em seu propósito de derrubar o governo Dilma e destruir o PT, não bastasse a linha editorial de suas reportagens e notícias, encheram seus espaços com “jornalistas” e “intelectuais” cuja a atuação e produção de conteúdo se pauta pela desonestidade intelectual, má fé, deturpação deliberada de fatos e declarações e, em alguns casos, por ignorância e analfabetismo político. O resultado final disso é uma permanente campanha de difamação e estímulo ao ódio e à violência cujo alvo não circunscreveu apenas o governo e o PT: estendeu-se a toda esquerda e ao campo político progressista e identificado com os direitos humanos.

Os jornais, revistas, telejornais e seus sabujos davam o material ruim necessário (meias-verdades, deturpações, manipulações, declarações e lados das histórias selecionados, ângulos de fotos e etc) acerca dos fatos e personagens políticos para que, na internet, os fascistas e difamadores profissionais produzissem sua avalanche de mentiras, calúnias, injúrias e teorias conspiratórias contra Dilma, o PT, a esquerda e o campo progressista, sem qualquer distinção: para os difamadores e fascistas, somos todos um bloco monolítico.

Sabia-se que tudo isso estava não só destruindo reputações e afetando os direitos políticos de cidadãs e cidadãos brasileiros, mas fortalecendo a extrema-direita nacional e seu fascismo. Entretanto, nenhum veículo da chamada “grande mídia” fez qualquer coisa para barrar esse processo; ao contrário (lembrem-se de que a última contratação da Folha de São Paulo foi um analfabeto político hipócrita e proto-fascista membro do MBL, cujo método de trabalho é constranger e difamar os contrários ao impeachment de Dilma)!

Mesmo com a escalada da violência produzida por esse “jornalismo” intimamente articulado com a difamação – os panfletos insultuosos atirados no enterro de Zé Eduardo Dutra; os insultos a Guido Mantega no hospital onde fora encontrar a esposa em tratamento de câncer; as ofensas a Alexandre Padilha, Patrus Ananias e Gregório Duvivier em restaurantes; os ataques às casas de Jô Soares, Juca Kfouri, Ciro Gomes e do filho do ministro do STF Teori Zavascki; os insultos a Chico Buarque numa rua do Leblon; os atentados a sedes de partidos e sindicatos; e etc., fora a violência verbal perpetrada de maneira orquestrada nos perfis dessas pessoas e instituições nas redes sociais – apesar dessa barbárie, nenhuma desmentido, nenhuma matéria, nenhum artigo, nenhum editorial foi feito por qualquer desses veículos no sentido de contê-la; nenhum mea-culpa, afinal, o objetivo de derrubar o governo e PT estava sendo alcançado mesmo que inocentes estivessem sendo destruídos e um mal se fortalecendo (Foi Ricardo Noblat ou Merval Pereira que repetiu, como argumento, que “os fins justificavam os meios”? Não importa. Eles são a mesma coisa).

Agora reconhecida internacionalmente como antidemocrática, desonesta intelectualmente e excessivamente partidária por protagonizar e apoiar um golpe contra a democracia urdido por plutocratas e cleptocratas, a mídia brasileira quer se livrar do corpo morto ou esconder seu esqueleto no armário (até a patética revista Veja decidiu descobrir agora que Cunha é “do mal”). Tarde demais pra vocês, hipócritas e golpistas!

A esquerda e o campo progressista decidiram reagir de vez! Não só em manifestações de rua e denúncias à comunidade internacional contra seu golpe na democracia, mas por meio da reação imediata e enérgica ao fascismo e ao macartismo cotidiano perpetrados pelos analfabetos políticos e facistas em restaurantes, aeroportos, porta de residências, hospitais, cemitérios e etc. Juca Kfouri e Ciro Gomes foram os primeiros a reagir de maneira mais ostensiva aos seus detratores. Os fascistas não voltaram às suas casas depois disso. Ontem, foi o vez do ator José de Abreu reagir a um casal fascista – e com uma cuspida na cara de cada um!

Sempre existirão, claro, os que vão considerar a reação de Juca, Ciro e principalmente a de Zé de Abreu “extremadas”, “mal-educadas”, “grosseiras”, “violentas” e “desnecessárias”, inclusive nos veículos da chamada “grande mídia”. Quase sempre são os mesmos que eram insensíveis ou faziam vistas grossas e ouvidos moucos às violências sofridas pelos que agora eles acusam e condenam pela reação justa. Quem liga para esses hipócritas e canalhas?

Essa gentalha precisa saber que vivemos numa democracia e num estado de direito e que, nestes, o exercício de nossos direitos políticos, por mais que esse exercício contrarie sua visão de mundo, senso comum, teorias conspiratórias, analfabetismo político ou preconceitos, não lhe autoriza a nos insultar, injuriar, difamar, acusar, ameaçar e agredir em lugares públicos! E essa gentalha só começará a entender isso quando reagirmos pronta e energicamente. As pessoas de esquerda e do campo progressista têm o direto político à organização e à atuação políticas! Defender a democracia e a justiça só nos torna “cúmplices de ladrões” e/ou “vendidos ao governo e ao petê” nas cabeças desses imbecis, regadas por esse “jornalismo” abjeto praticado pela “grande mídia” – imbecis que, ao fim e ao cabo, serão os responsáveis pela chegada, à presidência da República, de um traidor citado em delação e cúmplice de um gângster reú no STF pelo crime de corrupção. Quanta ironia do destino, né?

Sendo assim, para garantir nossos direitos, inclusive o de ir e vir sem ser insultado por conta de nossas escolhas políticas, precisamos reagir aos fascistas! José de Abreu reagiu ontem e com razão! Tenho certeza de que o casal de fascistas não repetirá a façanha com Zé nem com qualquer outro! Não temos que ouvir calados nem deixar pra lá. Temos de gritar na mesma altura, fazer o mesmo barraco, impedir as filmagens constrangedoras, responder de imediato aos insultos, denunciar e processar os estabelecimentos que não tomarem providências imediatas e também os agressores. Só assim, esses analfabetos políticos e fascistas alimentados por esse jornalismo irresponsável e nefasto vão se pôr em seus devidos lugares.

Não passarão!

Impeachment do processo civilizatório

Texto do professor da Unicamp Eduardo Fagnani recheado de dados que comprovam que no Brasil a miséria é negra, entre outras mazelas que atingem mulheres e adolescentes. Para usar em sala de aula e palestras sobre a realidade brasileira.


Impeachment do processo civilizatório

O aprofundamento das políticas econômicas de “austeridade” pós-golpe requer a radical supressão de direitos sociais e trabalhistas. Nesse caso, um dos focos é acabar com a cidadania social conquistada pela Constituição de 1988, marco do processo civilizatório brasileiro

Por Eduardo Fagnani


direito permanecer calado2

O objetivo de construir uma sociedade civilizada, democrática e socialmente justa deveria ser um dos núcleos de um projeto nacional. A Constituição de 1988 representa um marco do processo civilizatório do país. Pela primeira vez em mais de cinco séculos, ela assegurou formalmente a cidadania plena (direitos civis, políticos e sociais) para todos os brasileiros. O novo ciclo democrático inaugurado por ela, associado aos avanços sociais obtidos na década passada, contribuiu para a melhoria do padrão de vida da população, especialmente dos mais pobres.

Não obstante, o Brasil continua sendo um dos países mais desiguais do mundo. Essa marca tem raízes históricas ditadas pela industrialização tardia, pela curta e descontinuada experiência democrática e, especialmente, pelo longo passado escravocrata, cujo legado foi uma massa de analfabetos sem cidadania. Em pleno século XXI, o país ainda não foi capaz sequer de enfrentar desigualdades históricas herdadas de mais de três séculos de escravidão. Observe-se que, segundo estudo da ONU, a pobreza no Brasil tem cor: mais de 70% das pessoas vivendo em extrema pobreza no país são negras; 64% delas não completam a educação básica; 80% dos analfabetos brasileiros são negros; os salários médios dos negros são 2,4 vezes mais baixos que o dos brancos. No Rio de Janeiro, 80% das vítimas de homicídios resultantes de intervenções policiais são negras. A taxa de assassinatos de mulheres também tem clara dimensão racial. Entre 2003 e 2013, o assassinato de mulheres brancas caiu 10%; no mesmo período, o de negras subiu 54%.1

Segundo o Mapa da Violência, oBrasil ocupa o terceiro lugar, entre 85 países, no ranking de mortes de adolescentes. São 54,9 homicídios para cada 100 mil jovens de 15 a 19 anos, atrás apenas de México e El Salvador. A taxa brasileira é 275 vezes maior do que a de países como Áustria e Japão. Em média, dez adolescentes são assassinados por dia. O assassinato de jovens também tem cor. Morrem proporcionalmente sete negros para cada branco. No Maranhão morrem treze negros para cada branco.2

Nessas condições, o primeiro objetivo estratégico de um projeto civilizatório deveria ser enfrentar essas profundas desigualdades históricas. Em segundo lugar, preservar a inclusão social recente e aprofundar a cidadania social assegurada pela Constituição de 1988. Em terceiro, enfrentar as brutais desigualdades da renda, o que exige medidas voltadas para a revisão da estrutura tributária, a melhor distribuição da propriedade urbana e rural e a correção das desigualdades no mercado de trabalho. Quarto objetivo: universalizar a cidadania social, pelo enfrentamento do déficit na oferta de serviços sociais públicos, que combina desigualdades no acesso entre classes sociais e entre regiões do país.

A criação de uma sociedade mais igualitária requer que a gestão macroeconômica crie um ambiente favorável para o objetivo de longo prazo de reduzir continuamente a desigualdade. O progresso material é vital para a melhoria generalizada das condições de vida da população. O crescimento continuado da produção e da renda é condição necessária para a estruturação do mundo do trabalho e a ampliação do bem-estar social.

Não obstante, o arcabouço institucional adotado pelos organismos internacionais desde os anos 1990, consubstanciado no chamado “tripé” macroeconômico, não converge para esses propósitos, pois visa unicamente preservar a riqueza financeira. A revisão desse arcabouço vem sendo introduzida por diversos países antes mesmo da crise internacional de 2008; e a própria ortodoxia internacional já o trata como o “velho consenso”. Mas, aqui no Brasil, o “tripé” macroeconômico, introduzido em 1999, tornou-se ideia fixa. Qualquer crítica é considerada herética pelos ditadores do debate econômico nacional.

Fortalecer a indústria também é condição necessária para avançar no processo civilizatório. A experiência internacional ensina que nenhum país se tornou desenvolvido sem uma indústria forte e competitiva. Também seria necessário fortalecer a capacidade de financiamento do Estado. Há espaço para avançar na reforma tributária, na revisão dos incentivos fiscais e no combate à sonegação. Taxas de juros estratosféricas ampliam continuamente as despesas financeiras, transferem renda para os mais ricos e enfraquecem a capacidade financeira dos governos para atuar em favor da redução das desigualdades.

Não existem perspectivas favoráveis para a construção de uma sociedade mais igualitária se esse projeto não for pensado na perspectiva da democracia. O contínuo aperfeiçoamento da democracia exige a reforma do sistema representativo, monopolizado pelos partidos e capturado pelo poder econômico. A mercantilização do voto e a ausência de partidos programáticos impõem limites ao presidencialismo de coalizão, tornando qualquer governo refém de interesses corporativos e fisiológicos. Essa é a raiz da corrupção generalizada do sistema político-partidário, que expõe as fraturas do modelo herdado do pacto conservador na transição para a democracia.

A criação de uma sociedade mais igualitária também requer o reforço do papel do Estado. Não há na história econômica do capitalismo nenhum caso de país que tenha se desenvolvido sem o concurso expressivo de seu Estado nacional. A democracia depende da pluralidade de ideias e, nesse sentido, é fundamental garantir que os meios de comunicação sejam o esteio de um debate plural sobre os problemas do Brasil e suas soluções, aprendendo com as lições de diversos países capitalistas desenvolvidos (Estados Unidos, França, Alemanha, Itália, Inglaterra, Espanha e Portugal, entre outros).

 

Repetindo 1954, 1961 e 1964

A crença nessa utopia foi possível desde a redemocratização dos anos 1980 até poucos anos atrás. Hoje somos devastados por uma sensação opressiva. A iminência de um golpe institucional – pois não há evidência de crime de responsabilidade cometido pela mandatária do país – e a ascensão ilegítima ao poder de representantes dos detentores da riqueza poderão convulsionar o país e aprofundar a captura e o restrito controle do Estado por parte desses setores. O golpe na democracia vem acompanhado pelo impeachmentda cidadania social. Trata-se de nova oportunidade para promover radical mudança na correlação de forças em benefício exclusivo do poder das finanças.

Nos últimos sessenta anos, a sociedade brasileira mudou para melhor. Mas as elites ainda adotam práticas dos anos 1950 e 1960. Continuam sendo “predatórias” e “incapazes de viver com o antagônico”. Como em 1964, “elas querem a derrubada do regime democrático. Elas não sabem e não conseguem conviver com o Estado democrático. Portanto, partem para sua destruição e dissolução, que ocorre através do golpe, ilegal e ilegítimo”.3

Às vésperas do segundo turno das eleições de 2014, um prócer da elite antidemocrática deu a senha do que viria a seguir. Repetiu em sua conta no Twitter4 a célebre frase de Carlos Lacerda, referindo-se a Getúlio Vargas: “Não pode ser candidato. Se for, não pode ser eleito. Se eleito, não pode tomar posse. Se tomar posse, não pode governar”.

Na verdade, a trama começou a ser tecida após as manifestações populares de 2013. Os oposicionistas foram sábios em “federalizar” a insatisfação popular contra a falência generalizada do sistema de representação política herdado do pacto conservador da transição para a democracia e as crônicas deficiências na oferta de serviços sociais, cuja responsabilidade é constitucionalmente compartilhada com governadores e prefeitos.

Em 2014, o “terrorismo” econômico encarregou-se de descontruir a gestão macroeconômica, com o objetivo de enfraquecer a candidatura oficial. A vitória da situação poderia representar mais doze anos de governo do Partido dos Trabalhadores. O fantasma de Lula em 2018 voltava a assustar, sendo imperativo vencer o pleito eleitoral. Economistas liberais, setores do mercado e a grande imprensa passaram a atribuir a perda do dinamismo econômico exclusivamente aos “excessos da intervenção” estatal, olvidando por completo a grave crise do capitalismo global em decorrência da debaclefinanceira de 2008 e seus desdobramentos. Na realidade, apesar de apresentar certa deterioração de alguns indicadores, o Brasil não apresentava, em nenhum aspecto considerado, um cenário de “crise terminal”, como foi difundido.5

Apesar das manobras, Dilma Rousseff venceu e tomou posse. Urgia, então, impedir a continuidade do governo ou sangrá-lo até as próximas eleições, para destruir o legado social dos governos petistas e ampliar a insatisfação popular dos mais pobres e das camadas médias, requisitos para fomentar as ações desestabilizadoras no front político-institucional. Esse ato foi encenado logo após outubro de 2014 e ao longo de 2015, paradoxalmente, contando com a ajuda do próprio governo, que adotou o programa econômico dos derrotados. O ato final poderá ser consumado nos próximos dias.

 

O Plano Temer

Em meados de 2015, em meio às tramas golpistas e antidemocráticas, o vice-presidente da República, Michel Temer, lançou seu programa de governo (“Uma Ponte para o Futuro”)6e passou a montar o novo gabinete. O documento, que radicaliza e aprofunda o projeto liberal para o Brasil, propõe a “formação de uma maioria política, mesmo que transitória ou circunstancial”, em torno das propostas apresentadas. Contando com a colaboração de diversos economistas liberais, a iniciativa recebeu amplo apoio de parlamentares de diversos partidos da oposição, empresários e setores da mídia.

Num contexto em que a democracia poderá já ter sido violentada, a gestão macroeconômica será ainda mais ortodoxa. Armínio Fraga, um dos mentores da política econômica do “Programa Temer”, foi o coordenador do programa econômico de Aécio Neves em 2014. Naquela época, receitava “a defesa da volta do tripé como fio condutor da política econômica”, bem como a necessidade de reduzir a meta de inflação dos atuais 4,5%, um forte ajuste fiscal, a redução do intervencionismo do governo, a recuperação do câmbio flutuante para recompor o tripé e a autonomia jurídica do Banco Central.7Recentemente, afirmou que “o Brasil precisa é de um ajuste enorme”, muito superior ao realizado na primeira administração Lula e pelo ministro Joaquim Levy. “Deveríamos ter uma meta de redução de 25 pontos percentuais do PIB da dívida bruta em alguns anos. E também deveríamos dobrar o grau de abertura em certo horizonte de tempo. São objetivos factíveis”, afirmou. Além disso, serão necessárias “reformas amplas e profundas”, com destaque para a reforma da Previdência e a desvinculação dos ajustes em relação ao salário mínimo e das fontes de financiamento das políticas sociais. “Nosso orçamento deveria ser 100% desvinculado, desindexado, forçando uma reflexão do Estado que queremos e podemos ter. Uma espécie de orçamento de base zero.”8

O aprofundamento das políticas econômicas de “austeridade” requer a radical supressão de direitos sociais e trabalhistas. Nesse caso, um dos focos é acabar com a cidadania social conquistada pela Constituição de 1988, marco do processo civilizatório brasileiro. Abre-se uma nova oportunidade para que esses setores concluam o serviço que vêm tentando fazer desde a Assembleia Nacional Constituinte.

A surrada tese ideológica do “país ingovernável” – sacada pelo então presidente José Sarney (1985-1990), num último gesto desesperado para evitar que a cidadania social fosse incluída na Carta Magna – voltou a ditar o rumo do debate imposto pelos representantes do mercado que conseguiram criar o “consenso” de que estabilizar a dinâmica da dívida pública requer a mudança no “contrato social da redemocratização”. Argumentam que os gastos “obrigatórios” (Previdência Social, assistência social, saúde, educação, seguro-desemprego, entre outros) têm crescido num ritmo que compromete as metas fiscais. Para eles, a crise atual decorre fundamentalmente da trajetória “insustentável” de aumento dos gastos públicos desde 1993, por conta dos direitos sociais consagrados pela Carta de 1988.9 Argumentam ainda que os juros elevados praticados no Brasil decorrem da “baixa poupança” do governo. Esta, por sua vez, é fruto da existência de “sociedades que provêm Estado de bem-estar social generoso com diversos mecanismos públicos de mitigação de riscos”.10A visão de que “o Estado brasileiro não cabe no PIB” também tem sido sentenciada por diversos representantes desse matiz.11

Em consonância com o “Plano Temer”, levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) aponta que tramitam no Congresso Nacional 55 projetos de lei e propostas de emenda constitucional que suprimem direitos sociais e trabalhistas, reduzem o papel do Estado e aprofundam mecanismos de controle fiscal.12

 

Depois do golpe

Faz parte da narrativa dos oposicionistas que, após o impeachment, haverá uma trégua política, condição necessária para a reorganização da economia. Difícil acreditar nessa possibilidade. Em primeiro lugar, porque falta legitimidade aos que serão “eleitos” pela manobra. Falta, sobretudo, legitimidade ética, pois praticamente todos os futuros mandatários da República – a começar pelo presidente da Câmara dos Deputados e o do Senado Federal, o aspirante a presidente da República, a maioria de seus apoiadores, grande parte dos parlamentares que integram a comissão de impeachment e aqueles que decidirão pela cassação no plenário – parecem estar envolvidos com algum “malfeito” no uso do dinheiro público. Em segundo lugar, as elites financeiras, políticas e midiáticas erram ao pressupor que a sociedade brasileira no século XXI é a mesma de meados do século passado. Ledo engano. Não somos mais um país agrário com uma sociedade politicamente desorganizada. Portanto, como aponta Safatle, a crença na trégua pós-impeachmenté falsa,“e os operadores do próximo Estado Oligárquico de Direito sabem disto muito bem”.13

O mais provável é o acirramento dos ânimos, da intolerância, da fratura ainda maior da sociedade e da luta de classes que está nas ruas. A governabilidade do país poderá depender de um Estado policial ainda mais severo que o utilizado em 1964. Agora, não basta intervir nos sindicatos.

O impeachment do processo civilizatório em pleno século XXI aí está, como que para comprovar que a democracia e a cidadania social são pontos fora da curva do capitalismo brasileiro. São corpos estranhos que os “capitalistas” nacionais ainda não aprenderam a usar, nem sequer em benefício de si mesmos.

Eduardo Fagnani é professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Cesit (Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho).

 

1          Ver: http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,politicas-de-igualdade-racial-fracassaram-no-brasil–afirma-onu,10000021133

2          http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2014/Mapa2014_JovensBrasil_Preliminar.pdf

3          Maria Aparecida de Aquino, “Elite golpista e antidemocrática”, Brasil de Fato, 1º abr. 2015. Disponível em: http://www.brasildefato.com.br/node/31711

4          Ver em: https://twitter.com/jose_anibal/status/524697787116830721?lang=pt

5          Ver: http://plataformapoliticasocial.com.br/wp-content/uploads/2015/09/porumbrasiljustoedemocratico-vol-01.pdf>, p.18-39

6          Disponível em: http://pmdb.org.br/wp-content/uploads/2015/10/RELEASE-TEMER_A4-28.10.15-Online.pdf

7          Ver em: http://www.valor.com.br/eleicoes2014/3662186/conselheiros-de-aecio-e-marina-convergem-em-politica-economica

8          Ver em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,arminio-fraga-diz-que-ajuste-fiscal-atual-e-insuficiente,1795807

9          Ver: www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/226576-ajuste-inevitavel.shtml

10       Ver: http://www.valor.com.br/arquivo/893219/duas-rotas-que-levam-reducao-da-taxa-de-juros

11       Ver: http://www.evernote.com/shard/s161/sh/fde65c1a-acd6-4b37-ab0f-603e9520f872/af64f4a075b1e39f0a682017402bb7d8

12       Ver: http://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2016/03/levantamento-do-diapmostra-55-ameacas-a-direitos-em-tramitacao-no-congresso-8382.html

13       Ver: http://www.viomundo.com.br/politica/vladimir-safatle-congresso-gangsterizado-nao-tem-legitimidade-para-julgar-sequer-sindico-de-predio.html

Via: http://diplomatique.org.br/artigo.php?id=2066