Manifesto de professores da FAU-USP em favor da legalidade e da democracia

20100302fau004

Manifesto de professores da FAU-USP em favor da legalidade e da democracia

 

Na qualidade de docentes e profissionais de Arquitetura e Urbanismo comprometidos com cidades e sociedades mais justas, não podemos tolerar que nossas instituições democráticas, construídas sob décadas de lutas sociais, a começar pela Constituição de 1988, sejam desmanchadas num crescente processo de embrutecimento do país.

Nesses termos subscrevemos com nossos colegas da EACH a manifestação que afirma nossa posição em defesa do Estado Democrático de Direito:

Ao mesmo tempo em que nos solidarizamos com a população indignada com as denúncias de corrupção que se sucedem há anos em nosso país, surgidas a cada nova investigação conduzida pelos poderes Judiciário e Legislativo – e que envolvem praticamente todos os principais partidos políticos – ressaltamos a importância de que o trabalho de investigação observe o devido processo legal, respeite garantias individuais e preserve as instituições e valores democráticos, tão duramente conquistados pela sociedade brasileira.

Repudiamos o enviesamento da cobertura midiática, pautada pela espetacularização dos fatos e pela tentativa de imputar culpabilidade antes das apurações e do amplo direito de defesa. Condenamos, portanto, a prática de vazamentos seletivos à imprensade informações relativas às investigações, os quais ao fim e ao cabo resultam no progressivo esfacelamento da imagem de nossas instituições perante a opinião pública.

Preocupa-nos o clima de convulsão social, agravado a cada minuto. A legalidade e a democracia devem ser preservadas a todo custo, e não é admissível que a mídia, organizações da sociedade civil ou os diferentes movimentos que ocupam as ruas tomem para si o exercício da aplicação da justiça.

Chamamos a atenção para o imperativo da manutenção das garantias constitucionais, para a necessidade de construção do diálogo e para a importância de que todos os agentes públicos trabalhem pela efetivação dos preceitos previstos na Carta Magna promulgada em 1988.

 

Assinam este documento:

Alvaro Puntoni

Ana Barone

Ana Castro

Ana Lanna

Angelo Filardo

Antonio Carlos Barossi

Beatriz Rufino

Caio Santo Amore

Camila D’Ottaviano

Catharina Pinheiro

Eduardo Nobre

Erminia Maricato

Eugênio Queiroga

Fábio Mariz Gonçalves

Flávia Brito

Flávio Villaça

Gil Barros

Giselle Beiguelman

Guilherme Wisnik

Joana Melo

João Meyer

João Whitaker

Jorge Bassani

José Lira

Karina Leitão

Khaled Ghoubar

Klara Kaiser

Leandro Medrano

Luciana Royer

Luiz Recaman

Marcos Braga

Maria Cecília França Lourenço

Maria Cristina da Silva Leme

Maria de Lourdes Zuquim

Maria Lucia Refinetti Martins

Mário Henrique D’Agostino

Nilce Aravecchia Botas

Nilton Ricoy

Nuno Fonseca

Paula Santoro

Paulo Cesar Xavier Pereira

Raquel Rolnik

Reginaldo Ronconi

Rosana Miranda

Tatiana Sakurai

Vera Pallamin

Vladimir Bartalini

 

Anúncios