Políticas urbanas e os custos sociais dos megaeventos

Artigo para o Boletim Politizando, Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social – NEPPOS/CEAM/UnB.

Por ocasião de grandes eventos esportivos, culturais ou tecnológicos, como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, determinados capitais articulados a entidades internacionais e Estados, subordinam cidades, dilapidam o fundo público e, seguindo regras excepcionais e apressadas, constroem um cenário (chamado de “legado”) que, contrariando os discursos sobre as necessidades locais, tendem a sobrar como elefantes brancos.

O processo de assalto às economias nacionais com propostas de renovações urbanas que incluem inúmeras grandes obras e flexibilização da normativa urbanística não acontece exclusivamente nos grandes eventos. Podemos dizer que é uma das estratégias regulares que caracterizam o impacto da globalização neoliberal nas cidades. Com os megaeventos esse processo se potencializa. (…)

Leia o artigo completo aqui: POLITIZANDO, n. 16. (arquivo em pdf)